Despertar da Consciência

Está muito comum dizer que buscamos autoconhecimento. Tão comum que está a beira da banalização. Mas a maioria das pessoas que dizem que estão no processo de autoconhecimento, falam de algo que não praticam, pois a referência que possuem é de algo lindo, bonito e prazeroso.

Vamos à realidade?

O processo de autoconhecimento não tem nada de agradável, muito pelo contrário. É doloroso, sofrido e (em algumas situações) nos da uma sensação de derrota. O autoconhecimento nos mostra o quão longe ainda estamos de uma “purificação”. Nos coloca no nosso devido lugar, mostrando que não somos exatamente “a última coca-cola do deserto”.

Este processo expõe, de forma contundente, os nossos mais guardados defeitos e que necessitam de nossa atenção.

Com isto não são todas as pessoas que estão dispostas a isto. Raras são as pessoas interessadas em revirar o baú de nossas dificuldades procurando, efetivamente, resolver as pendências.

Mas eu tenho de concordar que os resultados são (sim) prazerosos. Quando nos deparamos com uma questão já resolvida, vemos nossas que reações são completamente diferentes de outros tempos. É muito bom ver isto. E quem nos vê com este resultado até acha que somos evoluídos e que somos fortes para muita coisa, sem fazer ideia do quanto foi sofrida esta conquista.

O mais interessante é que quando iniciamos neste processo é um caminho sem volta, porque enxergamos o que precisamos ser e ainda não somos (por responsabilidade inteiramente nossa). E aí ficamos envoltos neste processo durante o resto de nossas vidas. Sim, além de ser um caminho sem volta é um caminho sem fim. Sempre teremos algo para melhorar (ou questões/situações a resolver).

Existem inúmeras formas de iniciar e de dar prosseguimento neste processo. Há quem inicie com terapia, há quem inicie numa religião, há quem inicie com meditações (entre tantas outras formas). A continuidade pode acontecer com tudo isto ao mesmo tempo. O importante é se manter no processo, sempre buscando o que fazer em prol de si mesmo.

A busca se torna incessante. E cada vez vamos mais fundo.

Vamos nesta viagem? Faça suas malas, aperte o cinto… Tem um caminho longo para ser percorrido.

Este é um tema que sempre haverá muito o que falar. Então, de tempos em tempos, voltaremos nele, com outras nuances.

Qual a sua conexão?

Estamos imersos num grande mar de energias, oriundas das mais diversas fontes, dos mais diversos teores, das mais diversas qualidades.

Energias afins se atraem. Isto é um fato. Para comprovar isto basta avaliarmos a quem nos sentimos atraídos (para além do físico). Em muitas vezes nem sabemos o motivo, mas nos sentimos atraídos por esta ou aquela pessoa. O contrário também acontece, quando (sem nenhuma explicação plausível) não sentimos afinidade com determinadas pessoas. Traduzindo isto, nos sentimos atraídos ou não pelo padrão de energia que a pessoa emite.

Até aqui eu fiz referência a pessoas. Mas vai muito mais além do que isto.

Lugares também tem a sua energia. Existem lugares aos quais nos sentimos bem e existem lugares que nos sentimos mal. Conversas (ou assuntos) são energias que as pessoas emitem, então é comum não nos sentirmos bem com determinados assuntos. As vezes temos afinidade com alguém, mas em determinado momento esta pessoa inicia um assunto que nos é desagradável, passamos a repelir o assunto. Ou, se mesmo percebendo o desagrado, insistimos em receber esta energia, inicia-se um processo de proteção (inconsciente) para nos livrar daquilo (ou nos afastar do lugar, ou mudar o assunto). Este processo pode gerar reações físicas no corpo, como tonteiras, dores de cabeça, náuseas, diarréias. Não significa que todas as vezes que sentir um destes sintomas é porque estou em meio a uma energia que não tenho afinidade.

É possível estar num lugar onde não temos afinidade e, ainda assim, permanecermos íntegros? A resposta é: Sim! Podemos criar situações onde naturalmente repelimos aquilo que não nos faz bem sem criar nenhum transtorno. Mas se puder evitar, com certeza, é melhor.

Até agora estamos nos referindo a nossa afinidade com as energias que nos circundam. Mas podemos ir mais a fundo, que é o objetivo aqui.

É comum criarmos conexões com estas energias que nos circundam de forma que passamos a absorvê-las. Vira uma “retro-alimentação”, pois ao mesmo tempo em que eu crio energias de um determinado teor, consumo energias de igual teor.

Quer saber quais as energias costuma criar? É bem simples. Basta examinar quais são as reações que tomamos sem pensar. Quando alguma coisa acontece, reagimos no impulso, sem o raciocínio. Este é o nosso instinto. Avalie o teor de seus instintos e vai conseguir determinar o que você realmente atrai para si.

Obviamente isto é possível de ser mudado. Requer treino, como tudo na vida. Mágicas só acontecem em contos de fadas, na vida real é necessário treinar nossas reações. Inicialmente é tomar consiência do que realmente queremos para nossa vida. E a partir disto mudar nossas reações, mesmo que tardiamente, mesmo que de forma mecânica. Mas fazer algo diferente.

Se a nossa reação instintiva é sempre atacar quando somos ofendidos, é necessário realizar um esforço para transformar esta reação em algo mais positivo. Ao sermos atacados é só não revidar. Sei que isto não é uma tarefa fácil de ser feita, mas é possível. E é claro que nas primeiras vezes que isto acontecer ainda iremos revidar, mas assim que o nosso racional tomar o controle, iremos silenciar. A mudança pode ser lenta, mas é importante que seja feita.

Este foi apenas um exemplo, dentre tantos outros.

E existe um comportamento que não é tão contundente quanto a um revide de uma ofensa, mas é tão prejudicial quanto. E então, neste momento, convido a quem esteja lendo, a avaliar as suas conexões voluntárias. Estas conexões são realizadas sempre que fazemos uma afirmação. Exemplos:

  • Minha vida é muito difícil!
  • Nunca tenho dinheiro!
  • Pra mim nada é fácil!
  • Na minha vida tudo dá errado!
  • Sou pobre e não tenho condições para isto!
  • Tá tão bom que a qualquer momento vai acontecer alguma coisa ruim!
  • Nunca ganho nada!

Existem inúmeras afirmações. Mas estes são alguns exemplos.

Quando alguém diz algo assim, em que ela está conectando? Quando afirmo que minha vida é difícil, estou me conectando na dificuldade. O que vou atrair? Mais dificuldades! Quando afirmo que nada na minha vida dá certo, atraio todas as situações para atrapalhar minha vida. E assim por diante.

Ao passo que se eu silenciar estas afirmações já é um ganho enorme. Mas eu posso fazer mais. Eu posso conectar na boa energia. Toda situação que nos acontece tem um lado positivo. Por que não me ligar a este lado positivo? É a melhor forma de atrair a positividade. Ao invés de dizer que minha vida é muito difícil, posso dizer que sento feliz por estar conseguindo vencer as dificuldades.

Inicialmente o trabalho é modificar as frases que falamos. Depois passamos a treinar mudar os pensamentos que originam tais frases, porque podemos até não pronunciar mais as frases, mas ainda estamos criando a energia delas. Mas é assim, devagar, que vamos conseguindo nos modificar.

Quanto mais geramos energia boa, mais atraímos energia boa. Quanto mais energia positiva nós gerarmos, mais energias positivas iremos atrair.

A pergunta que deu início a este texto ainda é válida: “Qual a sua conexão?”.

Vamos falar de ansiedade?

O transtorno de ansiedade é o mais comum de todos os transtornos psiquiátricos e resulta num grande sofrimento e comprometimento funcional.

A ansiedade é definida como um sentimento vago e desagradável de medo, apreensão, caracterizado por uma tensão ou desconforto derivado de antecipação do perigo, de algo desconhecido ou estranho e pode ser tão intensa e desagradável que impede o funcionamento adequado do indivíduo.

A ansiedade é uma emoção. Existem emoções básicas, que são aqueles que (normalmente) se desenvolvem nos seis primeiros meses de vida nos seres humanos. As cinco emoções básicas são: O medo, a tristeza, a felicidade a raiva e o nojo.

As emoções são fenômenos complexos, os quais afetam nossos pensamentos, nosso corpo e nosso comportamento. Cada uma destas emoões gera uma expressão facial diferente e (as vezes) uma reação corporal (ou fisiológica) diferente. Com isto, estas emoções são reações intensas e conscientes, originadas de nossa avaliação a determinado acontecimento ou situação.

A ansiedade tem por objetivo criar um alerta para uma ameaça, para que o indivíduo se prepare para reagir de forma adequada. A ansiedade desencadeia várias mudanças fisiológicas. Mudanças estas que tem o objetivo de auxiliar no foco para lidar com a ameaça repentina.

A ansiedade se manifesta no que dizemos e como pensamos, no modo como nos comportamos (evitando situações ou ficando em alerta contra algum problema ou perigo) e em mudanças físicas (batimento cardíaco acelerado, respiração curta e/ou expressão facial).

Em níveis mais elevados, é chamado de Transtorno de Ansiedade Generalizado (TAG) que, segundo estudos, é um estado de ansiedade que persiste e envolve preocupação crônica, excessiva e evasiva, causando sintomas físicos ou mentais de ansiedade, resultando então em prejuízo no funcionamento do dia a dia do indivíduo.

Os principais sintomas ou características da ansiedade são:

  • Nervosismo
  • Preocupação
  • Tremores, palpitação, espasmos musculares
  • Tensão muscular, dores muscular, nevralgia
  • Inquietação
  • Cansaço fácil
  • Falta de ar
  • Batimento cardíaco acelarado
  • Transpiração (não resultante de calor)
  • Boca seca
  • Tonteira ou vertigem
  • Náusea, diarréia ou problemas estomacais
  • Aumento na urgência urinária
  • Rubores (calores) ou calafrios
  • Dificuldade para engolir (ou “nó na garganta”)
  • Sentindo-se tenso ou excitado
  • Facilmente assustado
  • Dificuldade de concentração
  • Dificuldade para adormecer ou dormir
  • Irritabilidade
  • Evitando lugares onde posso ficar ansioso
  • Pensamentos de perigo
  • Sentindo-me incapaz de lidar com as dificuldades
  • Pensamentos de que algo terrível irá acontecer

Estes sintomas (ou características) podem estar presentes em conjunto ou separadamente, de intensidade leve ou intensa. A presença de apenas um dos itens não caracteriza a ansiedade, mas quando a ansiedade está presente mais de um item se apresenta.

Ansiedade na infância

Apesar de se falar na ansiedade atingindo outras faixas etárias da sociedade, é possível identificar o transtorno sendo diagnosticado na infância.

Os primeiros relatos clínicos de crianças sofrendo por ansiedade datam do início do século XX. Foi observado um aumento considerável na ansiedade infantil devido a contextos sociais, como a Segunda Guerra Mundial, que resultou em inúmeros órfãos.

O transtorno de ansiedade de separação é o único transtorno típico da ansiedade que acontece exclusivamente na infância e adolescência, e pode ser caracterizado pela ansiedade excessiva com foco no afastamento do lar e de figuras que são vinculadas à criança. É uma ansiedade gerada devido à insegurança extrema e incerteza em relação ao ambiente do lar e aos cuidadores, podendo ser diagnosticada assim quando interfere no desenvolvimento ou funcionamento da vida diária da criança.

Alguns estudos mostram que o transtorno de ansiedade generalizada na infância é o precussor de outros transtornos que surgem na vida adulta. Sendo assim é necessário (e urgente) o diagnóstico e tratamento desde o período da infância.

Ansiedade na adolescência

A adolescência é uma fase da vida em que se desenvolve um conjunto de mudanças evolutivas na maturação física e biológica, ajustamento psicológico e social do indivíduo. São grandes as adaptações que os jovens têm que fazer durante o seu desenvolvimento.

Neste período ocorrem várias mudanças no corpo. Mudanças estas que causam repercussão direta na personalidade e na sua atuação na sociedade. Há uma preocupação com esta etapa, especialmente nos seus aspectos comportamentais e adaptativos.

Esta fase pode ser definida como um período crucial de reorganização de sua identificação individual, uma vez que novos significados geram novos movimentos em sua personalidade.

Durante a adolescência eles enfrentam realidades diferentes das que já enfrentaram e diante disso, reagem e sentem-se ansiosos achando difícil se adaptar a essa nova fase.

O adolescente vive em constantes desafios, com relação a problemas reais ou a situações imaginárias frente ao mundo, que espera dele respostas adequadas em várias situações.

Neste contexto, torna-se de grande valia o conhecimento e o monitoramento da manifestação da ansiedade no adolescente que aponte em quais situações essa característica tende a ocorrer com mais frequência.

Neste contexto é possível compreender a pressão sofrida (e/ou criada) por um adolescente durante esta fase de mudanças físicas, psicológicas e sociais. Diante do volume destas adaptações que devem ser feitas, são encontradas dificuldades. Porém, são adolescentes lidando com tudo isto. Soma-se a estas mudanças, o fato da sociedade (a começar pela própria família) esperar respostas adaptativas.

Além de todos os fatores que incluenciam diretamente no comportamento do adolescente, contribuindo para a formação da personalidade, ainda é preciso considerar as redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter, entre outras) que fazem com que os adolescentes iniciem sua experimentação da vida adulta e da realidade vivida pelos adultos (juntamente com seus problemas). Com isto novos padrôes são moldados e a impossibilidade de atingir estes padrões constituem geradores de ansiedade.

Ansiedade na fase adulta

De acordo com pesquisas, o transtorno de ansiedade vem crescendo exponencialmente conforme o tempo e o contexto social que muda em torno, especialmente, do adulto. Desta forma, em estudos, observa-se que, dentre os transtornos psiquiátricos, a ansiedade se mostra sendo a mais comum.

A vida de um adulto é repleta de dificuldades, caracterizada por novas mudanças, maiores responsabilidades e uma busca crescente por autonomia, independência, dentre outras obrigações e expectativas no decorrer da fase adulta que podem acarretar um transtorno de ansiedade e, assim, maior dificuldade de realização de seus objetivos.

Observa-se maior crescente do transtorno especialmente no começo da vida adulta. Muitas vezes o jovem adulto se vê colocado em dificuldades de forma precoce, sem grandes preparações e amadurecimento o suficiente, fazendo com que o sentimento de desamparo aumente e, consequentemente, ocorrendo um agravo no transtorno de ansiedade.

Importante destacar como os fatores externos têm uma influência grande no transtorno em relação à fase adulta. A urgência de conseguir um emprego, a competitividade para tal e a importância de suprir essa necessidade de independência e até mesmo liberdade, além de atender as obrigações da formação familiar. Tudo isso e mais apenas mostra como o adulto tem a tendência de atender as exigências da contemporaneidade e, muitas vezes, sem se encontrar preparado e amparado para tais responsabilidades da vida adulta e moderna.

Ansiedade na terceira idade

Há de se observar, em relação a ansiedade, que quando se chega na terceira idade, há uma dominância do transtorno em relação a idosos com menor grau de escolaridade ou que apresentam doenças crônicas. Segundo Machado (2016), o fator da saúde é o principal foco nesta faixa etária, especialmente quando se há o diagnóstico de ansiedade que pode, principalmente, prejudicar a qualidade de vida de pessoas já fragilizadas fisicamente.

A ansiedade é considerada uma das maiores causas de incapacidade no mundo, causando um impacto importante na qualidade de vida, independentemente da idade. Mas quando se fala de pessoas com mais de 60 anos, há um peso maior, pois os considerados idosos, sofrem quando há restrição em sua dependência física que já é mais debilitada. Existem evidências comprovadoras de que doenças predominantes em idosos, como as cardiovasculares, hipertensão e demais doenças respiratórias, entre outros, estão geralmente associados à ansiedade. O transtorno é capaz de agravar o comprometimento da qualidade de vida de pessoas que contém essas dificuldades de saúde ou, ainda, além disso: a ansiedade pode ser intensificada pela saúde já prejudicada.

Os sintomas mais comuns de ansiedade na terceira idade giram em torno, portanto, de questões relacionadas à saúde, próprias do envelhecimento, além de problemas financeiros advindos disso e o medo do abandono. Tudo isso pode causar repercussões de forma negativa na qualidade de vida já debilitada do idoso.

Estudos afirmam que o padrão de vida de idosos com altos níveis de ansiedade são piores do que o padrão de vida de idosos que não sofrem com o transtorno. A ansiedade, desta forma, está fortemente ligada ao aumento da mortalidade e piora no quadro de saúde de forma geral, o que torna o tema de extrema importância e urgência para ser tratado.

Números da ansiedade no Brasil

Em estudo realizado em 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que o Brasil possui, se comparado a todos os outros países do mundo, o maior número de pessoas ansiosas. São 18,6 milhões de brasileiros que sofrem com algum tipo de transtorno de ansiedade.

Os dados evidenciam ainda que o universo feminino é o mais afetado: 3,6% dos homens apresentam o problema, enquanto no caso das mulheres o número dobra, chegando a 7,7%.

A psicanálise e o diagnóstico do transtorno de ansiedade

Uma característica da ansiedade é a presença de preocupações excessivas e incontroláveis sobre diferentes aspectos da vida. A ansiedade representa um papel central no funcionamento do aparelho psíquico. Como reação do ego a uma ameaça interna, originada de impulsos instintivos proibidos, a ansiedade é experimentada, a nível da consciência como dor mental.

Para melhor compreender como a psicanálise enxerga a ansiedade é necessário entender um pouco a respeito das estruturas da personalidade.

Durante muito tempo, os distúrbios psicológicos foram considerados loucura e possessão diabólica. Foi a partir dos estudos do neurologista Sigmund Freud que esse tipo de doença passou a ser visto como um problema causado por processos orgânicos e psicológicos.

A partir daí o especialista percebeu que muitas atitudes humanas são condicionadas pelo inconsciente. Freud estimou, então, que o acesso ao inconsciente individual possibilitaria encontrar as respostas para os problemas psicológicos. Com essa ideia, ele propôs a interpretação de sonhos e a livre associação como métodos para acessar camadas mais profundas da mente e buscar a cura.

Em 1923, Freud desenvolveu um modelo estrutural da personalidade, organizando o aparelho psíquico em três estruturas: ID, ego e superego. Cada uma delas é responsável por um aspecto da personalidade humana, regendo a interação do indivíduo com outras pessoas.

Superego: aspecto moral da personalidade, produto da internalização dos valores e padrões recebidos dos pais e da sociedade.

O ID é a fonte de energia psíquica e o aspecto da personalidade relacionado aos instintos. É totalmente inconsciente, sendo formado pelas pulsões, instintos, impulsos orgânicos e desejos inconscientes.

O ID funciona de acordo com o princípio do prazer, buscando sempre o que gera prazer e evita o desprazer. O ID é impulsivo, busca uma solução imediata para as tensões, não aceita frustrações e não conhece inibição. Além disso, esse aspecto desconhece juízo, a lógica, os valores e a moral.

O ego é aspecto racional da personalidade responsável pelo controle dos instintos, servindo como mediador e facilitador da interação entre o ID e as circunstâncias do mundo externo.

O ego representa a razão ou a racionalidade, ao contrário da paixão insistente e irracional do ID. O ego obedece ao princípio da realidade, refreando as demandas em busca do prazer até encontrar o objeto apropriado para satisfazer a necessidade e reduzir a tensão. A principal função do ego é buscar uma harmonização entre os desejos do ID e a supervisão/realidade/repressão do superego.

O superego é a parte moral da mente humana que representa os valores da sociedade. O superego tem três objetivos:

  • Reprimir, por meio de punição ou sentimento de culpa, qualquer impulso contrário às regras e ideais;
  • Forçar o ego a se comportar de maneira moral, mesmo que irracional;
  • Conduzir o indivíduo à perfeição.

O superego forma-se após o ego, enquanto a criança assimila os valores recebidos dos pais e da sociedade. Ele pode funcionar de uma maneira bastante primitiva, punindo o indivíduo não apenas por ações praticadas, mas também por pensamentos inaceitáveis. O superego tem o pensamento dualista (tudo ou nada, certo ou errado, sem meio-termo) e está sempre em conflito com o id.

Vamos a um exemplo prático da integração entre estas três estruturas:

Imagine que você acorda em uma segunda-feira ensolarada e precisa ir trabalhar. O ID entra em ação quando você pensa ou decide não ir ao trabalho, aproveitando o dia ensolarado para fazer um passeio.

O ego traz a razão e mostra que você deve ter responsabilidade e encontrar outra oportunidade para fazer esse passeio, apontando que o mais prudente no momento é ir ao trabalho. O Superego, por fim, acredita que uma atitude dessas é inaceitável, e que você merece punição caso tome essa decisão.

Para a Psicanálise, os distúrbios psicológicos e os conflitos surgem a partir da interação disfuncional entre as três estruturas.

A ansiedade surge como um mecanismo de defesa (em meio a outros que já existem). E, por causa da ansiedade, outros mecanismos de defesa podem ser acionados, como: Regressão, recalque, isolamento, formação reativa, identificação (projetiva, introjetiva, por deslocamento), projeção (depositada, fantasias projetivas, generalização projetiva, pensamento reverberante, transferência de culpa) e sublimação.

Segundo a psicanálise, a ansiedade pode ser uma preocupação com a punição (culpa) pelos impulsos do ID e pela falta de controle do ego.

Cuidados com a saúde mental

Algumas atitudes podem favorecer não só o controle da ansiedade mas como a sua prevenção:

  • Tenha pequenos momentos de lazer, que te tragam satisfação
  • Cuidado com o uso de substâncias tóxicas, como álcool, tabaco e outras drogas
  • Cuidado com as cobranças digitais
  • Separe o lazer do trabalho e não fique online o tempo inteiro
  • Cuide do sono e escolha ambientes escuros para dormir
  • Identificar os sinais de que saúde mental não vai bem é o primeiro (e fundamental) passo. Alguns deles são: perda de prazer em atividades que você gosta, alterações no sono e no apetite e grande dificuldade de concentração
  • Procure ajuda médica sempre que necessário, e não tente resolver tudo sozinho(a). Todo sofrimento pode e deve ser aliviado, e o SUS oferece atendimento nas UBS, nos CAPS e nos ambulatórios de saúde mental
  • Se você não conseguir criar vínculo com o primeiro psicólogo que te atender, não desista. O vínculo é importante para o tratamento, e é possível conseguir isso com outro profissional e/ou outra abordagem terapêutica
  • Por outro lado, trabalhe as expectativas: não é sempre que o paciente sai sorrindo da sessão, e não há fórmula mágica e rápida, pois se mexe com feridas emocionais profundas. Valorize o processo
  • Se for necessário fazer uso de medicação, seja paciente, pois o resultado não é imediato, e pode ser que você não se adapte ao primeiro remédio. Comunique isso ao seu médico e persista. Se possível, alie o medicamento à terapia
  • O paciente precisa ser ativo no processo de melhora. Ele(a) e os profissionais de saúde são uma equipe

Tratamento para ansiedade

A ansiedade pode e deve ser tratada, para que seja possível resgatar a qualidade de vida que se tinha antes de os sintomas aparecerem.

O ansioso tem algumas crenças a respeito do meio que o cerca que são irreais, e o seu comportamento acaba sendo o reflexo disso. A psicologia dispõe de vários métodos de tratar a ansiedade, nas mais diversas abordagens.

Outra sugestão muito simples para tratar a ansiedade é aprender a respirar. O ansioso normalmente respira pelo tórax, rápida e superficialmente. Temos a respiração diafragmática (ou abdominal), muito praticada na ioga, que é mais profunda e lenta. Ela mantém o equilíbrio entre o oxigênio e o gás carbônico no sangue, o ritmo adequado dos batimentos cardíacos, e é muito fácil de fazer.

Essa respiração deve ser exercitada todos os dias, três vezes ao dia, por cinco minutos de cada vez. Ao dominar a técnica, você pode usá-la quando os sintomas físicos surgem. O alívio é rápido. O mindfulness, a meditação e os exercícios físicos também podem ser bastante eficazes.

Para casos mais graves, um médico deve ser procurado para prescrição do uso de medicação. É preciso ter critérios de prescrição e evitar resistências ao tratamento principalmente por parte até de alguns terapeutas que mesmo vendo seus pacientes com muito sofrimento não o encaminham rapidamente ao psiquiatra.

Preciso de terapia. E agora?

Se você é capaz de fazer esta afirmação, já é um excelente sinal. A maioria das pessoas que precisa de terapia não reconhece a necessidade. Na maioria das vezes não procura tratamento e, quando o faz, é por outro motivo alheio a sua própria vontade.

Inicialmente é interessante entender do que se trata a terapia. Considere, acima de tudo, que a terapia é um momento seu (somente seu). Onde você poderá ser você mesmo, sem filtros, sem “amarras”. É um momento em que não será (sob hipótese alguma) julgado pelo que você é ou pelos seus comportamentos. Estará em contato com alguém que não está interessado em fazer juízo de valor. Ao contrário, estará em contato com uma pessoa que quer, única e simplesmente, o seu bem-estar, respeitando integralmente a sua história de vida. Além de ser um local seguro, pois o que é falado no ambiente terapêutico jamais será divulgado.

Contrariando o que muita gente acredita, psicólogo não é para “doido”. É para pessoas que querem tratamento de alguma situação incômoda ou que querem o caminho do autoconhecimento. Então deixe de lado o preconceito e comece a procura por um profissional que possa te auxiliar naquilo que você precisa.

Incialmente a recomendação é procurar um psicólogo. Pode ser o caso de ser necessário uma avaliação de outro profissional (psiquiatra, por exemplo). Mas tudo depende da história da pessoa. Então inicialmente recomendo que procure um psicólogo.

A psicologia abre um leque muito grande de abordagens. Evidentemente não pretendo aqui traçar observações a respeito de cada uma delas, mas apenas algumas. E é óbvio que serão observações extremamente incompletas, se observar cada abordagem como um todo. Longe da pretensão de querer abranger (em poucas linhas) todo o potencial de qualquer abordagem. Mas me comprometo a deixar aqui algumas informações a respeito de algumas.

Eu considero interessante quatro abordagens, que são: Terapia Cognitivo Comportamental (TCC), Humanista Existencial, Sistêmica e Psicanálise.

Em todas as abordagens é possível tratar praticamente todos os problemas e comorbidades. Porém algumas são mais eficazes do que outras e, aliado a isto, existe a afinidade da pessoa que se submete a terapia.

Nos casos de surtos pontuais (que acontecem apenas mediante um evento específico). Exemplo: A pessoa perde um emprego e isto gera um surto de ansiedade. Passa a sentir-se mal por causa da ansiedade que gerou. Todas as abordagens irão tratar este problema e em todas há uma enorme chance de sucesso no tratamento. Mas a TCC se destaca por resolver este tipo de problema de forma rápida e precisa. A TCC trabalha com técnicas que o paciente aprende e pode praticar depois, quando perceber que a situação está prestes a se repetir. Então esta abordagem se prima por fazer, em determinadas circunstâncias, do paciente o próprio terapeuta.

A abordagem Humanista Existencial o foco é a pessoa. É conhecida também como Abordagem Centrada na Pessoa. O foco é o próprio indivíduo e o presente. Casos de luto tem um tratamento muito eficaz através da Humanista Existencial. O passado faz parte de nossa história, mas não é relevante para nosso presente e futuro, assim enxerga esta abordagem. Mas muito mais do que casos de luto, esta abordagem enxerga no próprio indivíduo a sua principal importância para viver e lutar por algo melhor. Foca também em sua melhoria íntima, como ser humano.

Já a Psicanálise tem um enfoque um pouco mais completo, pois enxerga o sujeito como um todo, além de considerar sua parte inconsciente. Com isto consegue compreender pontos e situações que outras abordagens têm dificuldades. A psicanálise (e aparentemente apenas a psicanálise) consegue compreender o surto psicótico e a própria psicose (juntamente com todas suas nuances).

A Sistêmica trata cada ser como parte integrante de um sistema. Outras partes são meus antecedentes (pais, avós, etc) e outras partes são meus descendentes (filhos, netos, etc). As questões familiares são o principal enfoque da Sistêmica.

Todas as abordagens sofrem críticas pelos seus antagonistas. A principal crítica que se faz com a TCC é por causa do seu “engessamento” no diagnóstico e tratamento. A Humanista é criticada por ser muito positiva e, com isto, acabar por não ver o lado negativo. A Psicanálise é criticada porque seus profissionais, em muitas situações, ficam com “cara de paisagem” apenas observando enquanto o paciente faz longos e extensos relatos. Algumas vezes sem nenhuma interação por parte do terapeuta. A Sistêmica costuma ser criticada por haver alguns profissionais vinculando a ela algumas práticas não reconhecidas cientificamente, o que causa muita polêmica. Não que estas práticas não sejam positivas (e terapêuticas), mas são alvo de críticas e questionamentos.

Necessário esclarecer que a psicanálise pode ser exercida por qualquer pessoa, não havendo nenhum órgão que a regulamente. Portanto é possível encontrar cursos de psicanálise com um ou dois anos de duração. Mas o processo de formação de um psicanalista é muito mais do que isto. Para se “formar” psicanalista, inicialmente a pessoa precisa passar por análise (e isto são anos a fio). Quando ela tem alta desta análise (que significa ter resolvido a maioria de seus dilemas íntimos) passa a frequentar grupos de estudo de psicanálise, são vários anos até estar minimamente pronto para começar a atender. E este começo é sempre com mediado com pessoas mais experientes.

Eu tenho um interesse pessoal pela psicanálise, mas gosto de aliar a psicologia. Na psicologia existe todo um aprendizado no acolhimento e empatia. Na psicanálise também existe isto, mas com a psicologia é possível treinar estas questões de forma isolada. É um ganho a mais.

Obviamente a TCC vai muito (mas muito mesmo) além do que tracei aqui, assim como a Humanista Existencial, a Psicanálise e a Sistêmica.

Inicialmente fica confuso tomar uma decisão de qual profissional escolher, mas saiba que todas as abordagens tratam com eficácia da maioria dos problemas.

Não mencionei nem 10% das abordagens existentes dentro da psicologia. É comum não se sentir confortável com esta ou aquela abordagem, cada um tem uma afinidade. As vezes o que nos é confortável, pode não ser para o outro. Então, em meio a tudo isto, escolha uma delas e faça o seu “test drive”. Se não gostar, ninguém irá obrigá-lo a continuar. Escolha seu terapeuta, aperte os cintos e curta a viagem para dentro de si mesmo.

Autossabotagem

A natureza humana tem, como padrão, resolver os problemas que acontecem. Até param a vida por causa de algo não resolvido.

Então, em muitas situações, é mais fácil eu não admitir que existe um problema. Ou mesmo deslocar o problema para o outro. Aí a responsabilidade passa a ser de outra pessoa. Fica mais fácil desta forma, pois não precisamos fazer absolutamente nada, afinal de contas, o problema não é meu.

E o problema (como todo bom problema), se não resolvido, aumenta em tamanho, gravidade, impacto, etc. E enquanto não admitirmos que é um problema nosso, continuará sendo desprezado.

Mas há um outro tipo de sabotador que é igualmente perigoso. É aquele que admite a existência do problema, assumindo como realmente seu. Mas não se considera capaz de nem tentar resolver, incapaz de dar ao menos o primeiro passo em direção da solução. E ainda assim quer ter o problema resolvido (pelos outros).

As vezes recorre a uma terapia (que é um excelente passo para solucionar), mas quando o terapeuta o confronta com questionamentos de si mesmo (sem nem indicar o caminho a ser seguido), começa a ver uma série de problemas com a terapia (as vezes até enxerga mil defeitos no terapeuta para que se justifique a desistência da terapia). Afinal de contas, fazendo a terapia é esperado que o terapeuta arranque o sofrimento, com um remédio milagroso. Quando descobre que este trabalho é da própria pessoa e que o terapeuta não fará isto em momento algum, se esforça para deixar a terapia.

A autossabotagem é algo muito comum. São raras as pessoas que não se utilizam deste “método” na tentativa de abreviar seus próprios problemas. Então, se este é seu caso, saiba que existe solução.

Até agora pontuei o problema. Ainda existem inúmeras formas de mostrar o mesmo problema. É sempre o mesmo modus operandi: Evitar o contronto de si mesmo por ser muito desconfortável.

Vamos tecer alguns caminhos para a solução. A primeira delas (e não poderia deixar de ser) é a terapia. Procurar um psicólogo e expor o seu problema, expor a sua vida. As vezes isto parece desconfortável, porque é um estranho e vou estar expondo minha vida a ele. Mas é um estranho que tem um código de ética a seguir. Então a sua vida não será, em momento algum, exposta a quem quer que seja. Então pode confiar. A partir do momento em que a preocupação com a postura do psicólogo não existir mais, a terapia começa. O psicólogo é uma pessoa que vai te compreender, ver o seu lado na história, não vai te julgar em nada (por mais absurdas que sejam suas atitudes), não vai revelar o que conversaram durante a terapia (nem para parentes próximos) e sempre vai te questionar, sem te influenciar, sobre sua forma de pensar. O psicólogo nunca vai te indicar um caminho, nunca vai te dar uma solução. Isto é sempre feito por você mesmo.

Quando o problema se tornou mais grave, chegando a uma ansiedade mais profunda, ou uma depressão, o psicólogo pode achar por bem indicar o caso para um psiquiatra, para que haja um auxílio aravés de medicamentos. E aí o caso passa a ser acompanhado não apenas pelo psicólogo, mas pelo psiquiatra também.

Uma pessoa que se sabota e que concorda que precisa de terapia, arranja muitas desculpas (chamadas de empecilhos) para não fazer terapia. As mais comuns são:

  • Me falta tempo. Hoje em dia são poucas as pessoas que tem tempo sobrando. Mas, ao mesmo tempo, se eu não tiver tempo para mim mesmo, para minha saúde, vou estar sendo injusto. Tenho tempo para tudo, menos para cuidar de mim.
  • Não tenho dinheiro. Sim, este é um problema que acomete a maioria da população. Mas existem terapias com preço social. Algumas chegam ao preço de aproximadamente R$30,00 (trinta reais) por mês. Convenhamos, isto não é muito.
  • Não quero sair de casa. Em tempos de pandemia, quarentena, isolamento social, as terapias estão sendo feitas de forma online. Ou seja, basta um celular ou computador com acesso a internet e a terapia acontece normalmente.

Até agora não encontrei nenhum argumento que fosse válido o suficiente para justificar não fazer terapia.

Paralelamente a tudo isto, existem atitudes benéficas, que auxiliam muito o processo terapeutico:

  • Se é uma pessoa religiosa, buscar o templo religioso de sua preferência, buscar o contato com aquilo que considera Divino.
  • Fazer exercícios físicos com regularidade. Que seja uma simples caminhada de 15 minutos, mas se feita com regularidade tem o efeito desejado.
  • Cuidar da alimentação. Não podemos sair comendo tudo o que aparece na frente. Procurar alimentos saudáveis.
  • Meditação. Se já fez alguma vez, retomar a atividade. Se nunca fez, procurar saber como faz e começar. O importante é a regularidade, faça com dia e hora marcada (exemplo: toda quinta-feira das 20:00 as 21:00). É um compromisso consigo mesmo.
  • Estar no meio de pessoas agradáveis. Valorizar momentos comuns com estas pessoas. Almoço em família, café da manhã com alguém que lhe é importante, assistir um programa de TV junto de pessoas agradáveis. A socialização é um fator muito importante.

Tudo isto são atitudes que, em conjunto com a terapia, facilitam e abreviam o processo terapeutico.

Se avalie, se reconheça, se conheça. Admita para si mesmo seus problemas e procure ajuda. Vai sempre encontrar.

Autoconhecimento

Alguém já se propôs, verdadeiramente, a conhecer profundamente a si mesmo?

Quem nunca se aventurou nisto, fica imaginando que é algo bem gostoso de ser feito, que vamos sair com o astral nas alturas e que tudo será muito melhor a cada descoberta de si mesmo.

Sinto muito, acho que vou decepcionar quem pensa assim.

O autoconhecimento mostra quem, de fato, nós somos. E nesta busca veremos que somos corruptos, autoritários, pirracentos, etc. Estou abreviando aqui para não entrar em adjetivos bem piores.

E não tem nada de agradável enxergar tudo isto a nosso respeito e não poder nem discordar, porque estaríamos tentando discordar (ou debater) conosco mesmos.

O autoconhecimento que tenho costume de procurar me mostra uma versão de mim mesmo que chega a ser vergonhosa. Em várias situações eu sou compelido (por mim mesmo e minha consciência) a procurar antigos desafetos para pedir desculpas por algumas coisas que fiz. Em outras ocasiões procuro pessoas de quem gosto, mas que não me comportei muito bem numa ou noutra questão (ou momento).

E nesta visão de mim mesmo, em algumas ocasiões, cheguei a sentir náuseas por imaginar a dor que causei no outro (sem perceber, achando a coisa mais natural do mundo).

Tenho aprendido muito e neste aprendizado venho buscando conhecer um pouco mais de mim mesmo e compreendendo mais o outro. Tenho me colocado mais no lugar do outro antes de agir.

Não se trata de autopromoção. É simplesmente reconhecer um caminho percorrido e com o olhar no longo caminho que ainda tenho a percorrer. Longe da perfeição, muito pelo contrário, agora reconhecendo meus defeitos.

Este processo é sempre doloroso. Não é um caminho florido e tranquilo. Na verdade é um caminho árduo de ser trilhado, com quedas a todo momento e sempre se vendo como responsável de toda dificuldade que passamos.

Mas tem a parte boa (ainda bem). Coisas ruins ficam sem sentido. Passamos a não valorizar algumas coisas que são prejudiciais. Com isto passamos a não ter problemas com os outros e passamos a pensar antes de agir, evitando as atitudes tomadas por impulso.

Chega ao ponto de se reconhecer nas atitudes dos outros que ainda não percorreram este caminho e aí sempre vem o pensamento: Eu era assim…

Mas não se trata de julgamento, mas de compreensão do momento do outro.

Quem ainda não iniciou o processo eu digo que quando iniciado é um caminho sem volta, porque se descobrir é algo encantador. Sofremos por nos ver como pessoas defeituosas, mas vibramos de alegria quando vencemos a nós mesmos. A estes, fica meu convite para iniciar o processo o quanto antes. Como? Terapia é uma das possibilidades disto.

Quem já iniciou eu desejo força. Sei que não vai desistir, mas não se demore em julgamentos de si mesmo. Agimos da melhor forma com aquilo que possuíamos no momento. Demos o nosso melhor. O importante é de agora pra frente.

Todo Excesso Esconde Uma Falta

Não sei o autor desta frase (só pra saber que não é de minha autoria, alguns atribuem a Lacan e outros a Freud), mas representa algo imenso que devemos (no mínimo) pensar a respeito.

Todas as vezes que minhas necessidades não são atendidas, eu me comporto com excessos em algum setor.

Quando não nos sentimos completos, principalmente em termos de afeto, esta “incompletude” se manifesta na forma de um sintoma.

Quando o sintoma aparece, ele sempre tem um nome (dor de cabeça, gastrite, queimação no estômago, falta de ar, etc) e para estes nomes sempre existem remédios que “resolvem”.

Vamos entender este mecanismo com uma comparação simples. Estamos no nosso carro e acende a luz que indica que o óleo está num nível baixo. Então, traduzindo, a causa é o baixo nível de óleo no motor, o sintoma é a luz acendendo no painel. Neste momento, o motorista vai procurar resolver o problema. Então ele desliga a luz do painel. Pronto, o problema de nível baixo de óleo foi resolvido. Pelo menos a primeira vista, sim, foi resolvido. Mas somente o sintoma. A causa ainda está lá e, mais tarde, vai se manifestar de outra forma (super aquecimento do motor, comprometimento de peças, etc). Tudo isto porque não resolvemos a causa.

Causa não resolvida, manifesta-se novamente em outro setor, de uma outra forma e (normalmente) mais gravemente.

Isto vale perfeitamente para nossa vida.

Ao sentir uma dor de cabeça é comum a pessoa tomar um analgésico. Pronto, a dor de cabeça passou. Mas qual foi a causa? A dor de cabeça é apenas um sintoma. Aconteceu para mostrar algo que está errado. É a luz no painel no carro.

Qual meu comportamento excessivo que está acontecendo na minha vida (é uma boa dica para descobrir a causa). Com alguns exames e sem medo do que iremos descobrir, não é tão difícil chegar até a causa. Normalmente não é uma causa orgânica, mas psicológica.

Existem casos em que os sintomas foram ignorados por tanto tempo, que originaram doenças. Estas precisam de tratamento e acompanhamento médico, mas sem dispensar o tratamento e acompanhamento psicológico.

Vamos passar a nos observar mais. Dar uma chance ao autoconhecimento, enxergar o que nós somos de verdade e procurar auxílio para resolvermos nossos problemas íntimos. Isto é procurar a causa dos problemas e não apenas os sintomas.