Pensamentos,  Psicologia

Todo Excesso Esconde Uma Falta

Não sei o autor desta frase (só pra saber que não é de minha autoria, alguns atribuem a Lacan e outros a Freud), mas representa algo imenso que devemos (no mínimo) pensar a respeito.

Todas as vezes que minhas necessidades não são atendidas, eu me comporto com excessos em algum setor.

Quando não nos sentimos completos, principalmente em termos de afeto, esta “incompletude” se manifesta na forma de um sintoma.

Quando o sintoma aparece, ele sempre tem um nome (dor de cabeça, gastrite, queimação no estômago, falta de ar, etc) e para estes nomes sempre existem remédios que “resolvem”.

Vamos entender este mecanismo com uma comparação simples. Estamos no nosso carro e acende a luz que indica que o óleo está num nível baixo. Então, traduzindo, a causa é o baixo nível de óleo no motor, o sintoma é a luz acendendo no painel. Neste momento, o motorista vai procurar resolver o problema. Então ele desliga a luz do painel. Pronto, o problema de nível baixo de óleo foi resolvido. Pelo menos a primeira vista, sim, foi resolvido. Mas somente o sintoma. A causa ainda está lá e, mais tarde, vai se manifestar de outra forma (super aquecimento do motor, comprometimento de peças, etc). Tudo isto porque não resolvemos a causa.

Causa não resolvida, manifesta-se novamente em outro setor, de uma outra forma e (normalmente) mais gravemente.

Isto vale perfeitamente para nossa vida.

Ao sentir uma dor de cabeça é comum a pessoa tomar um analgésico. Pronto, a dor de cabeça passou. Mas qual foi a causa? A dor de cabeça é apenas um sintoma. Aconteceu para mostrar algo que está errado. É a luz no painel no carro.

Qual meu comportamento excessivo que está acontecendo na minha vida (é uma boa dica para descobrir a causa). Com alguns exames e sem medo do que iremos descobrir, não é tão difícil chegar até a causa. Normalmente não é uma causa orgânica, mas psicológica.

Existem casos em que os sintomas foram ignorados por tanto tempo, que originaram doenças. Estas precisam de tratamento e acompanhamento médico, mas sem dispensar o tratamento e acompanhamento psicológico.

Vamos passar a nos observar mais. Dar uma chance ao autoconhecimento, enxergar o que nós somos de verdade e procurar auxílio para resolvermos nossos problemas íntimos. Isto é procurar a causa dos problemas e não apenas os sintomas.